51212 Atualizações no E-mail

Pesquisar este blog

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

… Save SYRIA — Save ALEPPO!

… Save SYRIA — Save ALEPPO!

… “The humanitarian catastrophe in Syria is one of the greatest of recent decades, but in a world which gets so consumed with constant breaking news and the bombardment of all sorts of information, the electrifying noise of barrel bombs and the real cry for help are not reaching our ears. With more than 330 barrel bombs a day falling on the city of Darriya alone, a staggering number of 175,000 of the city’s citizens had no choice but to join a mass exodus from a shattered place that has now been left with less than 8,000 people. The death toll in the ‘ghost city’ of Darriya is no less than 6,493 effected by 5,375 barrels and with victims been 97% civilians. In some truly shocking scenes, thousands of desperate Syrian refugees queue up amid the rubble and devastation wrought by Syria’s three-year war.
At the same time another massive exodus of refugees is happening in Aleppo, civilians escaping from rebel-held parts of the largest city in Syria. As many as half a million people have been displaced to date (in one of the largest refugee flows), many crossing the borders to Turkey or Jordan hoping to flee the continuing mayhem and unprecedented disaster that their country is suffering.
‘Al-barmeel’ is the Arabic word for ‘the barrel.’ However, in Syria this word is synonym to death; disaster; humanitarian catastrophe. Barrel bombs are dropped by the Assad regime on civilians over residential areas all across Syria.
Advocacy group Human Rights Watch a few days ago released a report which catalogs what it said were 266 barrel bombings that affected 340 different sites around the city between November 2013 and end of February this year. According to their analysts, there is a legal rationale for viewing barrel bombs as different from other munitions used in the war.
This destructive and lethal weapon, is entirely makeshift and unsophisticated and so it makes no distinction: schools, hospitals, entire neighborhoods are wiped off the map. ‘The use of a weapon that can’t be aimed violates long-established laws on the conduct of war’, HRW argues.
Let’s explain what these weapons are made of: barrel bombs are crude, makeshift oil drums or garbage containers filled with explosives, packed with deadly material such as TNT, oil, nails, metal shrapnel. They are DIY bombs, with an estimated weight of up to 2,000 pounds, but analysts suggest that they can hold as much as 3,000 pounds of explosives, which dwarfs even the bigger bombs.
“Use of barrel bombs in residential neighborhoods has killed hundreds of civilians and driven thousands from their homes,” said Sarah Leah Whitson, the group’s Middle East director.”If these indiscriminate dumb weapons managed to hit a military target, it would be sheer luck.”
No matter how shocking, footage from the disastrous effect of barrel bombs cannot encapsulate the daily horrors of life in the war-torn Syria. Those who have survived barrel bomb attacks recollect the nightmare in a state of lasting shock. When they are dropped from helicopters barrel bombs make a loud, tearing sound spurring nearby civilians to run in despair and hide somewhere just to wait for their violent death to land.
Shrapnel coming out of them in all directions slaughters people in the most cruel ways: cutting heads off, mutilating bodies, slicing in half babies and children. Hundreds of people are being killed daily in barrel bomb attacks by Syrian regime helicopters, has denounced the aid group Doctors Without Borders. As the Syrian government escalates its assault on rebel-held areas of Aleppo, barrel bombs have seen unprecedented use. The toll so far is estimated to amount to hundreds of thousands since the beginning of the conflict.
But what makes barrel bombs so much deadlier than more conventional weaponry? And are they a recent ‘phenomenon’ in Assad’s official strategy? Not really. According to Eliot Higgins, a blogger covering the situation in Syria for a number of years under the pseudonym ‘Brown Moses,’ he traces their use in Aleppo back to August 2012; ever since they spread across the country.
One of the scary facts around barrel bombs is that they are cheap, easy to mass produce and deploy from the air. This is not expensive and sophisticated highly advanced technology. It is a thick, stupid, low-cost weapon. What the extended use of ‘al-barmeel’ confirms is that the Assad regime is looking to avoid losing the war even if it has to eliminate a significant part of Syrian people.
The HRW report details the impact of large-scale aerial bombardment over opposition-held parts of Aleppo and the devastating effects of these underestimated weapons of mass destruction. According to HRW analysts, barrel bombs should be regarded as equally lethal and disastrous to napalm and cluster bombs. This is because they are un-sophisticated, makeshift weapons which are inaccurate; they are dropped randomly in densely populated areas and they cause a high number of civilian casualties.
Using satellite imagery analysis, HRW, has identified at least 340 distinct sites in Aleppo’s opposition-held neighborhood that were damaged between November 2013 and February 2014. Damages clearly carry the signature of unguided high explosive bombs, which are locally produced and made of cheap material. These do not look like isolated incidents or military accidents, they look more like a well planned strategy.
A few days ago a condemnatory report was released by UN Secretary-General Ban Ki-moon concluding that a month after passage of a Security Council designed to facilitate aid delivery and end the most brutal military tactics used inside Syria, humanitarian deliveries are still disrupted and indiscriminate attacks against civilians continue.
‘I strongly condemn the continued heavy shelling, including the use of barrel bombs by the Syrian government forces in residential areas,” Ban Ki-Moon concluded in the report.
February’s Security Council Resolution 2139 included provisions demanding an end to “the use of barrel bombs, and methods of warfare which are of a nature to cause superfluous injury or unnecessary suffering.”
UK Foreign Secretary William Hague has called the use of barrel bombs in Syria a ‘barbaric method which must end’ and has urged for action in relieving the plight of civilians caught up in the bloodshed.
However, the harsh reality is that the ‘al-barrel’ nightmare in Syria continues.
In warfare there are practical reasons not to harm civilians since such actions can provoke retaliation, increase resistance and undermine prospects for lasting peace. Factors such as respect for life, mercy and preserving fairness in fighting, help make war psychologically bearable to those engaged in an activity that traumatizes and can shame voluntary and involuntary participants.
Right now Syria is undergoing social fragmentation and a major development setback. Fragmentation is generated by the hatred between its residents, the increased number of displaced people and the catastrophic effects that the use of barrel bombs cause on the country’s manpower, social fiber, economy and infrastructure.
According to a Western diplomat who was inside the Security Council meeting, United Nations Special Envoy Lakhdar Brahimi said that “the country continues to be systematically destroyed.”
Where does the EU and the rest of the international community stand in all this? Are they turning a blind eye to the obligations set by the Security Council? Who and how can step up and guarantee that no more Syrian civilians will be sacrificed in this continuous bloodshed? And let’s not forget that this is a world where social media are enabling people, citizens from all around the world, to take action, spread the word and push for change. Amnesty International has issued a global call, passing the word
#SaveAleppo #أنقذوا_حلبA catástrofe humanitária na Síria é um dos maiores das últimas décadas, mas em um mundo que fica tão consumido com notícias constante e o bombardeio de todos os tipos de informações, o barulho eletrizante das bombas de tambor e o verdadeiro grito de ajuda não estão atingindo nossos ouvidos. Com mais de 330 barril bombas um dia caindo sobre a cidade de Darriya sozinho, um número impressionante de 175, 000 dos cidadãos da cidade não tinha escolha senão se juntar a um êxodo em massa de um lugar destruído que agora ficou com menos de 8, 000 pessoas. O número de mortos na ‘cidade fantasma’ de Darriya é não inferior a 6, 493 efetuado por 5, 375 barris e com vítimas foram civis de 97%. Em algumas cenas verdadeiramente chocantes, milhares de refugiados sírios desesperados fila no meio de escombros e a devastação causada pela guerra Síria de três anos. Ao mesmo tempo outro êxodo maciço de refugiados está a acontecer em Alepo, civis fugindo de rebel-prendido partes da maior cidade da Síria. Como muitos como meio milhão de pessoas foram deslocadas até à data (em um dos maiores fluxos de refugiados), muitos atravessando as fronteiras para a Turquia ou Jordan na esperança de fugir a contínua destruição e desastre sem precedentes que seu país está sofrendo. ‘Al-barmeel’ é a palavra árabe para ‘cano’. No entanto, na Síria, esta palavra é sinônimo de morte; desastre; catástrofe humanitária. Bombas de tambor são descartadas pelo regime de Assad em civis sobre áreas residenciais toda a Síria. Grupo de defesa dos direitos humanos assistir há alguns dias lançou um relatório que cataloga o que dizia eram bombardeios 266 barril que afetou 340 sites diferentes em torno da cidade entre novembro de 2013 e final de fevereiro deste ano. De acordo com os analistas, há uma lógica jurídica para a visualização de bombas de tambor como diferente de outras munições usadas na guerra. Esta arma letal e destrutiva, é inteiramente improvisada e sem sofisticação, e então ele não faz distinção: escolas, hospitais, bairros inteiros são varridos do mapa. ‘O uso de uma arma que não pode ser destinada viola leis de longa data sobre a conduta da guerra’, afirma HRW. Vamos explicar o que estas armas são feitas de: bombas de tambor são barris de petróleo bruto, improvisados ou recipientes de lixo cheios de explosivos, embalados com material mortal, como TNT, óleo, unhas, estilhaços de metal. Eles estão a fazer é se bombas, com um peso estimado de até 2, 000 libras, mas analistas sugerem que podem prender tanto quanto 3, 000 quilos de explosivos, que supera até mesmo as maiores bombas. “Uso de bombas de tambor em bairros residenciais tem mataram centenas de civis e conduzido milhares de suas casas,” disse Sarah Leah Whitson, o diretor do Médio Oriente grupos.”Se estas armas indiscriminadas idiotas conseguiram atingir um alvo militar, que seria pura sorte.” Não importa como chocante, filmagens do efeito desastroso de bombas de tambor não podem encapsular os horrores diários da vida do guerra-rasgado Síria. Aqueles que sobreviveram a atentados a bomba barril lembrar o pesadelo em estado de choque duradoura. Quando eles são descartados de bombas de tambor de helicópteros fazem um barulho, rasgando estimulando som nas proximidades de civis para executar desespero e se esconder em algum lugar só para esperar sua morte violenta aterrar. Sai deles em todas as direções de estilhaços mata pessoas das maneiras mais cruéis: cabeças de corte fora, mutilando corpos, corte ao meio os bebês e crianças. Centenas de pessoas estão sendo mortas diariamente no barril atentados a bomba por helicópteros do regime sírio, denunciou o grupo de ajuda, médicos sem fronteiras. Como o governo sírio aumenta seu ataque em áreas rebeldes de Aleppo, bombas de tambor tem visto o uso sem precedentes. O pedágio até agora estima-se que o montante de centenas de milhares, desde o início do conflito. Mas o que faz com que as bombas de tambor muito mais mortal do que o armamento mais convencional? E eles são um fenômeno recente’ ‘ na estratégia oficial de Assad? Não realmente. De acordo com Elliott Higgins, um blogueiro cobrindo a situação na Síria por um número de anos sob o pseudônimo ‘Brown Moisés’, ele traça seu uso em Aleppo para agosto de 2012; desde que se espalham por todo o país. Um dos fatos assustadores por bombas de tambor é que eles são baratos, fáceis de produzir e implantar do ar. Isto não é cara e sofisticada tecnologia altamente avançada. É uma arma de grossa, estúpida e de baixo custo. O que confirma o uso prolongado de ‘al-barmeel’ é que o regime de Assad está olhando para evitar perder a guerra, mesmo que tem que eliminar uma parte significativa do povo sírio. Os detalhes do relatório HRW o impacto dos bombardeios aéreos em grande escala sobre partes de oposição-realizada de Aleppo e os efeitos devastadores desses subestimado as armas de destruição maciça. De acordo com analistas da HRW, bombas barril devem ser consideradas igualmente letal e desastroso para o napalm e bombas de fragmentação. Isto é porque eles são un-sofisticadas, improvisadas armas que são imprecisas; Eles são descartados aleatoriamente em áreas densamente povoadas e causam um elevado número de baixas civis. Usando a análise de imagens de satélite, HRW, identificou pelo menos 340 sites distintos no bairro de oposição-realizada de Alepo que foram danificadas, entre novembro de 2013 e de 2014 de fevereiro. Danos claramente carregam a assinatura de bombas sem acompanhante alto explosivo, produzidas localmente e feitos de material barato. Não parecem militares acidentes ou incidentes isolados, eles parecem mais como uma estratégia bem planejada. Há poucos dias, que um relatório condenatória foi lançado pelo secretário geral da ONU Ban Ki-moon concluindo que um mês depois a passagem de um Conselho de segurança projetado para facilitar a prestação da ajuda e acabar com as táticas militares mais brutais usadas dentro Syria, entregas humanitárias ainda são rompidas e ataques indiscriminados contra civis continuam. ‘ Condeno veementemente o bombardeio pesado contínuo, incluindo o uso de bombas de tambor pelas forças do governo sírio em áreas residenciais, “Ban Ki-Moon, concluiu o relatório. Conselho de segurança resolução 2139 de fevereiro incluídas disposições exigindo o fim “o uso de bombas de tambor.” e métodos de combate que são de natureza a causar danos supérfluos ou sofrimento desnecessário UK Chanceler William Hague chama-se o uso de bombas de tambor na Síria ‘um método bárbaro que deve terminar’ e apelou para a ação em aliviar o sofrimento dos civis apanhados em derramamento de sangue. No entanto, a dura realidade é que o pesadelo ‘al-barril’ na Síria continua. Na guerra, existem razões práticas para não prejudicar civis, desde que tais ações podem provocar retaliações, aumentam a resistência e prejudicar as perspectivas de uma paz duradoura. Fatores como o respeito pela vida, piedade e preservando a imparcialidade no combate, ajudar a tornar a guerra psicologicamente suportável para aqueles envolvidos em uma atividade que traumatiza e pode envergonhar os participantes voluntários e involuntários. Agora Síria está passando por fragmentação social e um revés de grande desenvolvimento. Fragmentação é gerada pelo ódio entre seus moradores, o aumento do número de pessoas deslocadas e os efeitos catastróficos que o uso de bombas de tambor causam na mão de obra do país, fibra social, economia e infra-estrutura. De acordo com um diplomata ocidental que estava dentro da reunião do Conselho de segurança, das Nações Unidas especial enviado Lakhdar Brahimi disse que “o país continua a ser sistematicamente destruído.” Onde é que a União Europeia e o resto do estande da comunidade internacional em tudo isso? São eles fazer vista grossa para as obrigações definidas pelo Conselho de segurança? Quem e como pode intensificar e garantir que não há mais sírios civis serão sacrificados no presente contínuo derramamento de sangue? E não vamos esquecer que se trata de um mundo onde as mídias sociais estão permitindo que pessoas, cidadãos de todo o mundo, de agir, espalhar a palavra e empurrar para a mudança. A Anistia Internacional emitiu um apelo global, passando a palavra #SaveAleppo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DESTAQUE

... AntiCristo ÔMEGA - Cristo ALPHA

... Uma coisa que acho errado em todos os livros que falam da mitologia do antiCristo, que está entidade seria literalmente algo igual o...